> Iconografia

Família Loebman: mãe e tios maternos de Eva Wendriner

RG:
ICO/971

Autor:
Fotógrafo não identificado

Cidade:
s.l

Data:
s.d

Tipologia:
Fotografia

Natureza do objeto:
Reprodução

Natureza / Descrição:
Reprodução do original. P&B

Técnica:
gelatina/prata

Suporte:
Papel

Acervo:
Wendriner Gaj/SP; Arqshoah/ LEER-USP

Descrição:

Família Loebman, mãe e tios maternos de Eva Wendriner (da esquerda para direita): Ruth Loebman, Salo Loebman, Wally Loebman (mãe de Eva), Martin Loebman e Erna Loebaman.

Observação:

Eva Wendriner nasceu no dia 15 de novembro de 1932, na cidade de Gleiwitz que pertencia à Alemanha, e hoje faz parte do território polonês. Seus pais, nascidos nesse mesmo lugar, chamavam-se Jorge Wendriner e Wally Loebmann sendo Henrique o seu único irmão mais velho. Na Noite dos Cristais, em novembro de 1938, seu pai, Jorge, foi levado para Buchenwald, onde permaneceu por seis semanas. Em 1939 ele conseguiu uma carta de trabalho através de amigos que residiam na Bolívia. Em Fevereiro de 1940, a família embarca do porto de Gênova para a Bolívia, de onde seguiram de trem para La Paz. Eva e seu irmão ficaram em um lar de crianças judaico, enquanto seus pais seguiram para uma comunidade organizada pela família Hochschild. Após um ano, foram para Tupiza uma pequena cidade, onde seus pais puderam abrir um restaurante, depois mudaram-se para Cochabamba, onde abriram uma loja de doces. Seus pais conservaram o judaísmo dentro de casa através de orações, comemorações das festas judaicas e do Shabat. Por isso, em 1943 seu irmão, Henrique, e Eva foram para La Paz por motivos de preparação do Bar Mitzvah de Henrique. Ao completar 18 anos ele foi o primeiro a imigrar ao Brasil, onde tinha parentes que o aguardavam em São Paulo. Eva e seus pais também seguiram rumo ao Brasil e em 1955, Eva se casa com Luis Gaj, amigo de adolescência, com quem frequentou o movimento Macabi na Bolívia

Na década de 30, a avó materna de Eva, Beth Loebmann e  sua filha Ruth Loebmann, resolveram emigrar para o Brasil, onde já estava desde 1935 o seu filho Salo Loebmann. Este havia saído da Alemanha por causa de seu engajamento com movimentos judaicos de esquerda que fizeram com que ele logo percebesse que a situação ficaria complicada na Europa. Por parte da mãe de Eva, antes do início da Segunda Guerra Mundial, um irmão foi para os Estados Unidos (Dr. Martin Loebmann) e  outro Salo Lebmann veio para a Brasil. Erna foi mandada para a  Inglaterra pois era enfermeira.

 

 

Palavras-chave:

Brasil; Erna Loebaman; Eva Wemdriner; Martin Loebman; Ruth Loebman; Salo Loebman; Wally Loebman.