Notícias

Leslie Marko é filha de sobrevivente do Holocausto, diretora de teatro, pesquisadora do LEER- Laboratório de Estudos sobre Etnicidade, Racismo e Discriminação, além de Docente da Escola Superior e Propaganda (ESPM) nos cursos de Ciências Sociais e do Consumo e Relações Internacionais. Mestre e doutora pela Universidade de São Paulo.

Na entrevista fala de sua tese de doutora sobre o teatro de resistência promovido pelo diretor de teatro Sami Feder (1906-2000), judeu, polonês e sobrevivente do Holocausto.

Leslie Marko trata também da montagem da peça Mergulho, promovida pela B’nai B’rith em parceria com a Secretaria Municipal de São Paulo que, pela sua narrativa, incentiva o diálogo entre os jovens tendo como motivo diferenças éticas, religiosas e culturais. E do Projeto Mergulho, que abrange os professores e os alunos, trazendo questões de discriminação, o Holocausto e a violência, inserindo-os no contexto em que vivem.

“Considero a postura e as ações de Leslie Marko um exemplo promissor de como investir à favor da preservação da memória e promover o respeito às diferenças, elementos básicos para tentarmos melhorar a convivência no mundo atual abalado pela intolerância sem limites”, diz a Profa. Dra. Maria Luiza Tucci Carneiro, orientadora de sua tese junto ao Programa de Estudos Judaicos e Árabes, da FFLCH-USP.

Vale a pena assistir a integra da entrevista em:
www.shalombrasil.com.br

(Matéria retirada do link: http://www.bnai-brith.org.br/entrevista-de-leslie-marko-no-no-programa-shalom/)

banner vozes holocausto p

 por Viviane Cabrera


Dalila tem como protagonista em sua vida o coração. Não que seja volúvel, mas a sensação vertiginosa que cada paixão causa em seu ser, viciou-a de tal forma que desvencilhar-se é algo impossível. É sua droga mais impactante. Mas há algo por trás das carcaças masculinas que a magnetiza a eles.

Diante de obstáculos e adversidades, Lise Forell usa sua arte como forma de manter intacta sua liberdade.

Por Viviane Cabrera
Holocausto – Lise Forell dá cores ao horror que enfrenta nos tempos de juventude.

Cores vivazes, pinceladas firmes, traços fortes. Vida e arte combinam-se, mostrando que a artista plástica Lise Forell é tão intensa quanto suas obras. No auge de sua existência, a matriarca de 86 anos fuma calmamente próxima a mesa de canastra. A fumaça do cigarro confunde-se com a névoa de suas lembranças.

No dia 11 de setembro, a partir das 19 horas, na Embaixada do Brasil, em Berlim, na Alemanha, será realizado o lançamento da versão em alemão do livroCidadão do Mundo. O Brasil diante do Holocausto e dos judeus refugiados do nazifascismo – 1933-1948(„Weltbürger – Brasilien und die jüdischen Flüchtlinge 1933-1948“, Tradução de Marlen Eckl. Berlim: LIT Verlag,; Fapesp, 2014.). O livro, de autoria da professora Maria Luiza Tucci Carneiro, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, e coordenadora do Arquivo Virtual do Holocausto (ArqShoah), será lançado também em outras cidades alemãs: no dia 16 de setembro, às 19h30, em Marbach. Em 18 de setembro é a vez de Munique sediar uma apresentação sobre a obra, a partir das 19 horas.

No dia 24 de agosto, a partir das 17 horas, acontece o lançamento do livro A Rosa Branca, de Inge Scholl, em tradução organizada pelas professoras Tinka Reichmann e Juliana P. Perez, da Área de Alemão da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. A publicação é da Editora 34. O local é o Goethe-Institut, na Rua Lisboa, 974, Pinheiros, São Paulo.

O evento contará com apresentação e debate com a historiadora Maria Luiza Tucci Carneiro e a jornalista Silvia Bittencourt. No lançamento também acontecerá a inauguração da exposição itinerante A Rosa Branca, idealizada pela Fundação Weiβe Rose (Alemanha) e composta por 17 painéis que mostram a história do grupo A Rosa Branca, que dá título ao livro. A mostra permanece no Goethe-Institut até o dia 21 de setembro e depois faz turnê por escolas e universidades.

Também haverá a exibição, às 19h30, do filme A Rosa Branca (Die Weiße Rose, 1982), ficção do diretor alemão Michael Verhoeven. O evento é gratuito e aberto ao público. Não é necessária inscrição prévia.

O livro Cidadão do Mundo. O Brasil diante do Holocausto e dos judeus refugiados do nazifascismo, da professora Maria Luiza Tucci Carneiro, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, foi traduzido para o alemão, com patrocínio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e lançado neste dia 09 de outubro na Feira de Livros de Frankfurt. Confira matéria sobre o livro clicando aqui.

O livro é resultado da tese de livre-docência de Maria Luiza, que é do Departamento de História da FFLCH e coordenadora do Laboratório de Estudos sobre Etnicidade Racismo e Discriminação (LEER) da USP.

A Feira de Livros de Frankfurt é o maior encontro mundial no setor editorial. Em 2014, a obra será publicada na França pela editora L’Harmatann.

Do USP Online

Dia 11 de setembro, na Embaixada do Brasil, em Berlim, na Alemanha, a professora Maria Luiza Tucci Carneiro apresentou a versão em alemão do livro “Cidadão do Mundo. O Brasil diante do Holocausto e dos judeus refugiados do nazifascismo – 1933-1948″ (“Weltbürger – Brasilien und die jüdischen Flüchtlinge 1933-1948″, Tradução de Marlen Eckl. Berlim: LIT Verlag; Fapesp, 2014).

Professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP e coordenadora do Arquivo Virtual do Holocausto (ArqShoah), Maria Luiza aborda no livro, a partir de uma perspectiva nova e multifacetada, e considerando o contexto histórico e político internacional, a ambiguidade da política brasileira diante do holocausto e dos judeus refugiados do nazifascismo. O livro foi traduzido para o alemão com patrocínio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e lançado em 2013 na Feira de Livros de Frankfurt, maior encontro mundial no setor editorial.

Maria Luiza concedeu uma entrevista para a Rádio SWR2 Journal am Mittag, na Alemanha, sobre o lançamento da obra. O áudio está disponível neste link.

Mais informações: email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Do USP Online

Dia 11 de setembro, na Embaixada do Brasil, em Berlim, na Alemanha, a professora Maria Luiza Tucci Carneiro apresentou a versão em alemão do livro “Cidadão do Mundo. O Brasil diante do Holocausto e dos judeus refugiados do nazifascismo – 1933-1948″ (“Weltbürger – Brasilien und die jüdischen Flüchtlinge 1933-1948″, Tradução de Marlen Eckl. Berlim: LIT Verlag; Fapesp, 2014).

Professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP e coordenadora do Arquivo Virtual do Holocausto (ArqShoah), Maria Luiza aborda no livro, a partir de uma perspectiva nova e multifacetada, e considerando o contexto histórico e político internacional, a ambiguidade da política brasileira diante do holocausto e dos judeus refugiados do nazifascismo. O livro foi traduzido para o alemão com patrocínio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e lançado em 2013 na Feira de Livros de Frankfurt, maior encontro mundial no setor editorial.

Maria Luiza concedeu uma entrevista para a Rádio SWR2 Journal am Mittag, na Alemanha, sobre o lançamento da obra. O áudio está disponível neste link.

Mais informações: email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.